Share



O que muito hoje a humanidade necessita? Refletir...
Precisa buscar ajuda... Permitir-se intuir...
Encontrar caminhos para si e fazer-se companhia
Apoiar-se em Deus, dar créditos aos seus
Reencontrar-se com a VIDA e a POESIA.

É um convite a pensar, conversar
Meditar com palavras explícitas
Implícitas experiências do Coração
Dar mais um espaço à EMOÇÃO!
"...a POESIA é para comer, senhores..."


9/21/2017

Uma mensagem grandiosa, imensa, infinita....




A m e m ...!

_______________________________________________
*a mensagem é 'só' essa mesmo...  E sem acento...

video
Trecho do filme baseado em história real: "Prayers for Bobby" 
(Orações para Bobby, em português),  ano 2009 
 Direção:  Russell Mulcahy.  Elenco: Sigourney Weaver,  Ryan Kelley, Henry Czerny, Dan Butler ... 
Saiba mais: https://pt.wikipedia.org/wiki/Prayers_for_Bobby



 A m e m ...!
Porém...
Para aquele que necessita 
de 'jurisprudência' Cristã para sê-lo, fazê-lo...



"Eu vos dou um novo mandamento: 
amai-vos uns aos outros. 
Como eu vos amei, assim também 
vós deveis amar-vos uns aos outros.
Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos,
se vos amardes uns aos outros."
 (João 13:34,35)
Jesys amai-vos amor novo mandamento
Imagem: Google imagens
_____________________________________________________________
#TrateseuPreconceito

9/18/2017

Nunces da vida ou vividas...



"Por flores e cores
Podemos nos ver... Podemos ser
Com belezas, perfume ou cor
Com limitação, espinhos, superação ou dor
Por flores e cores
Podemos nos ver... Podemos perceber
Nuances de coração, essência, evolução...
Infinita_mente renascer!"
__Valéria Milanês
Imagens:  Google imagens

Complexa delicadeza das cores das flores...



"Que a gente não permita que as batalhas da vida 
nos roubem a delicadeza do olhar..."
__Sirlei L. Passolongo  


Querer (assim como tudo o que possa estar relacionado com Vida 
e o Homem) é mais do que se quer...  
É Querer Olhar com olhar de quem quer enxergar
- e não apenas ter, possuir - não só a natureza, mas tudo em volta... 

                     Somos - o ser humano também! - frutos da natureza, com nuances de rara beleza... Mas que o dia a dia e experiências ao longo da estrada, faz-nos apenas replicar valores engessados ou defesas... Esquecendo que cada pessoa é única, existência sem par. E, portanto, cada pessoa que conhecemos é um universo (em luz, energia, cor...) e um mistério a desvendar (ímpar flor).  
                     Perceber, portanto, o que "um alguém" foi (é ou será) em nossa vida não deve abancar-se como um modelo (de algo bom ou ruim; ou como compêndio único de vivência, como se "tudo" já tivesse vivido...), pois o que faz toda a diferença não é somente como uma pessoa é ou será, mas como queremos verdadeiramente enxergá-la, ou  como nos permitimos perceber um querer, ou como estamos a querer ver. Isso, claro, sem afrontar o "ser" e o viver de outrem. Então, poderemos vê-la... Com nuances a mais do que as "catalogações de experiências", catalogações mentais.
          Pode ser, inclusive, não deixar de notar que as maiores muralhas erguidas que limitam o entendimento e o sentir, normalmente são feitas por nós mesmos, sob forma de 'réplicas', fugas ou de pré-delimitação. E isso satisfaz o comum pregado no dia a dia e a padronização da "coisa vivida", mas jamais satisfará o universo infinito onde habita nosso coração...
              Florir... Além de Ser, é também perceber a complexa delicadeza das cores das flores... A nos encantar, nos envolver, nos iluminar para notarmos o que ainda não percebemos, ou em evolução. A nos reacender e... Em nós!

Imagem: Google imagens

Fora da caixa...



 "O DESEJO é a fome dos olhos,
a PAIXÃO é a falta de sossego da mente
e o AMOR é um coração exposto".(*)

____________________
(*) DA - carece de confirmação de autoria.


Imagem: Google imagens

9/15/2017

Ser é florescer...



"O que és não vem à flor
Das frases e dos dias.
Não digas nada; sê!
Graça do corpo nu
Que invisível se vê."
___Fernando Pessoa
Photo by Kenyukahou

Nos abraços da poesia e da vida...



"Todas as palavras dos mundos cabem na poesia.
E sua magia cabe na união dos corações, 
na expressão das emoções, 
em um abraço..."
__Valéria Milanês
Fonte: Google imagens


_____________________________________________________________

*** Nota do Blog:

_______  Permitam-se perceber mais e mais sobre os benefícios no tempo, no ar e no fluir da vida, comprovados cientificamente, e à luz da medicina, inclusive, desse carinho chamado...Abraço!  
      Para além atos automáticos ou atos virtuais que alimentam a Cultura da Individualização, a sabedoria da vida em nós sempre há de nos impulsionar ao verdadeiro pulsar da vida, amplidão de sua multiforme energia... 
        Portanto, sem qualquer delimitação de mais ou  menos, padrões ou catalogação... Use sem moderação!

A mensagem é o amor....



“Os homens cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim 
e não encontram o que procuram. 
E, no entanto, o que eles buscam 
poderia ser achado numa só rosa.”


"Foi o tempo que dedicaste à tua rosa 
que a fez tão importante."
Antoine de Saint-Exupéry  _O Pequeno Príncipe

Fonte: Google imagens

"Nós não somos a mensagem... 
Somos os mensageiros... 
A mensagem é o amor."
__Wim Wenders

Ode à censura!



"Censuremos a pornografia da fome,
do desemprego,
da indústria da educação,
da propaganda mentirosa.

A pornografia da violência policial,
da tortura,
das máscaras pré-eleitorais,
dos aumentos do leite e do pão.

A pornografia da irrealidade dos salários do Povo
e da irrealidade dos salários dos que decidem 
o mesquinho salário do povo.

A pornografia da falta de solidariedade,
da demagogia com pés de lã,
da corrupção oficializada
do pseudomoralismo despistador.

A pornografia dos linchamentos,
da lentidão da justiça,
do olho vesgo da justiça,
do pedestal vazio da própria justiça.

A pornografia da justiça que se quer feita pelas próprias mãos.
A pornografia do medo, da insegurança,
das comissões que justificam o crime,
do variado preço da “cerveja”
com que se amansa o gato da fiscalização.

A pornografia do símbolo do leão
como carrasco dos que se equilibram perigosamente
na rede milionária dos impostos.

A pornografia da fábrica de mortos,
ou das mortes cinicamente adiadas
nos institutos da previdência social.

A pornografia das ricas reservas de ouro,
minério e petróleo,
caracterizando um país rico infestado de miséria.

Censuremos todas estas pornografias que nos aviltam
não a ingênua pornografia que pelos olhos ou pela imaginação
monta sua máquina monótona
no espaço supérfluo do nosso sonho."
__Walmir Ayala*

       "Obscena... 
                      é a fome!"


Imagens: Google imagens

_______________
_________________________________________________________
(*) Porto Alegre, Correio do Povo - Letras & Livros, 22 de maio de 1982- Walmir Ayala
___Walmir Ayala nasceu em Porto Alegre no dia quatro de janeiro de 1933. Faleceu no Rio de Janeiro, onde passou a maior parte de sua vida, em 28 de agosto de 1991. Foi poeta, romancista, memorialista, teatrólogo, crítico de arte.

A sabedoria popular_singular e os padrões que buscam apagá-la...


"Amar não é tolerar. Amar é respeitar."
(DA.)
video
Vídeo/Performance by ator Jonathan Dutra - Fonte: www.youtube.com/jonathandutra

Amar é... Mais!

"Afinal, não somos nós o outro de alguém?"
__Camila Barbalho, in "O outro*






Imagem by Projeto "Temperança - Um Manifesto Contra o Ódio"

__________________________________________



O outro gosta do que gosta, e com convicção
O outro também pode cair em contradição
O outro também acha que seu deus é de verdade
O outro tem sua própria versão de felicidade

O outro tem vontade e manda no próprio nariz
O outro também quer o que acha bom pro seu país
O desejo do outro não é coisa de doente
O outro não é burro porque pensa diferente

Enxergar, tocar, deixar ser
Abraçar, tolerar, entender

Afinal, não somos nós o outro de alguém?

O outro tem seus medos, chora às vezes, quer carinho
A vida do outro também guarda seus espinhos
O outro também erra, e desse erro se ressente
Também dói no outro aquilo que dói na gente

O outro tem bagagem, tem amores, tem história
Tem dias que o outro não aguenta suas memórias
O outro não é necessariamente alguém ruim
O outro pode ter muito de você e de mim

Conversar, sorrir, receber
Escutar e reconhecer

Afinal, não somos nós o outro de alguém?
_______________________________

Carta aos Povos...



"Quando o último rio secar,
a última árvore for cortada
e o último peixe pescado,
eles vão entender ,
que dinheiro não se come."
(Atribuída ao Greenpeace, a Bob Marley,  mas a origem  verdadeira é de 
___provérbio indígena)

#TODOSPELAMAZÔNIA
#TODOSPELAMAZÔNIA Natureza
GIF mostra o desmatamento da Amazônia de 1984 a 2012  -
Fonte:  http://www.businessinsider.com/biggest-global-changes-2014-2 
#TODOSPELAMAZÔNIA Natureza
Fonte:  https://www.cnet.com/uk/pictures/28-year-time-lapse-shows-earths-drastic-changes-pictures/

-------------------

Reza a lenda...  
Em 1855, o cacique Seattle*, da tribo Suquamish, do Estado de Washington, enviou esta carta ao presidente dos Estados Unidos (Francis Pierce), depois de o Governo haver dado a entender que pretendia comprar o território ocupado por aqueles índios. 
Faz mais de um século e meio. 
Mas o desabafo do cacique tem uma incrível atualidade. 

videoInterpretação: Erasmo Carlos - A Carta Do Índio1981
Música & Letra: Roberto Carlos e Erasmo Carlos.
(Adaptação da Carta escrita em 1855 pelo Cacique Seattle da Tribo Dwamish - USA)


A carta(**):

             "O grande chefe de Washington mandou dizer que quer comprar a nossa terra. O grande chefe assegurou-nos também da sua amizade e benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não necessita da nossa amizade. Nós vamos pensar na sua oferta, pois sabemos que se não o fizermos, o homem branco virá com armas e tomará a nossa terra. O grande chefe de Washington pode acreditar no que o chefe Seattle diz com a mesma certeza com que nossos irmãos brancos podem confiar na mudança das estações do ano. Minha palavra é como as estrelas, elas não empalidecem.
            Como pode-se comprar ou vender o céu, o calor da terra? Tal ideia é estranha. Nós não somos donos da pureza do ar ou do brilho da água. Como pode então comprá-los de nós? Decidimos apenas sobre as coisas do nosso tempo. Toda esta terra é sagrada para o meu povo. Cada folha reluzente, todas as praias de areia, cada véu de neblina nas florestas escuras, cada clareira e todos os insetos a zumbir são sagrados nas tradições e na crença do meu povo.
"Statue of Chief Seattle:  
Tilikum Place, downtown Seattle"
Escultura de James Wehn, 1912
Sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver. Para ele um torrão de terra é igual ao outro. Porque ele é um estranho, que vem de noite e rouba da terra tudo quanto necessita. A terra não é sua irmã, nem sua amiga, e depois de exaurí-la ele vai embora. Deixa para trás o túmulo de seu pai sem remorsos. Rouba a terra de seus filhos, nada respeita. Esquece os antepassados e os direitos dos filhos. Sua ganância empobrece a terra e deixa atrás de si os desertos. Suas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho, mas talvez seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende.
                 Não se pode encontrar paz nas cidades do homem branco. Nem lugar onde se possa ouvir o desabrochar da folhagem na primavera ou o zunir das asas dos insetos. Talvez por ser um selvagem que nada entende, o barulho das cidades é terrível para os meus ouvidos. E que espécie de vida é aquela em que o homem não pode ouvir a voz do corvo noturno ou a conversa dos sapos no brejo à noite? Um índio prefere o suave sussurro do vento sobre o espelho d'água e o próprio cheiro do vento, purificado pela chuva do meio-dia e com aroma de pinho. O ar é precioso para o homem vermelho, porque todos os seres vivos respiram o mesmo ar, animais, árvores, homens. Não parece que o homem branco se importe com o ar que respira. Como um moribundo, ele é insensível ao mau cheiro.
                Se eu me decidir a aceitar, imporei uma condição: o homem branco deve tratar os animais como se fossem seus irmãos. Sou um selvagem e não compreendo que possa ser de outra forma. Vi milhares de bisões apodrecendo nas pradarias abandonados pelo homem branco que os abatia a tiros disparados do trem. Sou um selvagem e não compreendo como um fumegante cavalo de ferro possa ser mais valioso que um bisão, que nós, peles vermelhas matamos apenas para sustentar a nossa própria vida. O que é o homem sem os animais? Se todos os animais acabassem os homens morreriam de solidão espiritual, porque tudo quanto acontece aos animais pode também afetar os homens. Tudo quanto fere a terra, fere também os filhos da terra.
                      Os nossos filhos viram os pais humilhados na derrota. Os nossos guerreiros sucumbem sob o peso da vergonha. E depois da derrota passam o tempo em ócio e envenenam seu corpo com alimentos adocicados e bebidas ardentes. Não tem grande importância onde passaremos os nossos últimos dias. Eles não são muitos. Mais algumas horas ou até mesmo alguns invernos e nenhum dos filhos das grandes tribos que viveram nestas terras ou que tem vagueado em pequenos bandos pelos bosques, sobrará para chorar, sobre os túmulos, um povo que um dia foi tão poderoso e cheio de confiança como o nosso.
                   De uma coisa sabemos, que o homem branco talvez venha a um dia descobrir: o nosso Deus é o mesmo Deus. Julga, talvez, que pode ser dono Dele da mesma maneira como deseja possuir a nossa terra. Mas não pode. Ele é Deus de todos. E quer bem da mesma maneira ao homem vermelho como ao branco. A terra é amada por Ele. Causar dano à terra é demonstrar desprezo pelo Criador. O homem branco também vai desaparecer, talvez mais depressa do que as outras raças. Continua sujando a sua própria cama e há de morrer, uma noite, sufocado nos seus próprios dejetos. Depois de abatido o último bisão e domados todos os cavalos selvagens, quando as matas misteriosas federem à gente, quando as colinas escarpadas se encherem de fios que falam, onde ficarão então os sertões? Terão acabado. E as águias? Terão ido embora. Restará dar adeus à andorinha da torre e à caça; o fim do viver e o início do sobreviver.
                  Talvez compreendêssemos com que sonha o homem branco se soubéssemos quais as esperanças transmite a seus filhos nas longas noites de inverno, quais visões do futuro oferecem para que possam ser formados os desejos do dia de amanhã. Mas nós somos selvagens. Os sonhos do homem branco são ocultos para nós. E por serem ocultos temos que escolher o nosso próprio caminho. Se consentirmos na venda é para garantir as reservas que nos prometeste. Lá talvez possamos viver os nossos últimos dias como desejamos. Depois que o último homem vermelho tiver partido e a sua lembrança não passar da sombra de uma nuvem a pairar acima das pradarias, a alma do meu povo continuará a viver nestas florestas e praias, porque nós as amamos como um recém-nascido ama o bater do coração de sua mãe. 
              De uma coisa temos certeza: a terra não pertence ao homem branco; o homem branco é que pertence à terra. Disso temos certeza. Todas as coisas estão relacionadas como o sangue que une uma família. Tudo está associado.  O que fere a terra fere também os filhos da terra. O homem não tece a teia da vida; é antes um de seus fios. O que quer que faça a essa teia, faz a si próprio."
____________________________
(**)...é possível encontrar várias versões dessa "carta".  Qual das versões seria a “carta” verdadeira? Muito provavelmente o cacique Seattle jamais escreveu carta alguma com o conteúdo que lhe é atribuído, ao presidente Franklin Pierce.   Segundo algumas fontes e pesquisas diversas, os índios Duwamish habitavam a região onde atualmente se encontra o estado de Washington - no extremo Noroeste dos Estados Unidos, fazendo divisa com o Canadá. E a famosa "carta" parece ter sido, na verdade, um texto publicado em um jornal local baseado na inspirada reflexão que o cacique Seattle fez para sua tribo, reunida naquele deslumbrante cenário natural, sobre as relações do homem com a Natureza, em resposta à proposta presidencial, de compra de terra, trazida pessoalmente pelo recém-chegado encarregado de assuntos indígenas do governo norte-americano.

(*)  O CACIQUE SEATTLE (Blake Island, Estado de Washington, EUA, c. 1786 - Reserva Indígena Suquamish, Est. de Washington, 7 de junho de 1866) - FOI UM DESTACADO LÍDER DOS DUWAMISH E DOS SUQUAMISH.
.
____________________________________________
---Fonte texto "carta"/pesquisas:
http://www.portalentretextos.com.br
http://www.culturabrasil.org/seattle_cartadoindio.htm
http://www.chiefseattle.com/History/chiefseattle/chief_tilikum.htm

Nos caminhos da poética e fora da caixa... Voar, vendo a vida com mais lirismo, igualdade, luz... Poesia!



 AOS POETAS
 __Miguel Torga


"Somos nós 
As humanas cigarras! 
Nós, 
Desde os tempos de Esopo conhecidos. 
Nós, 
Preguiçosos insectos perseguidos. 
Somos nós os ridículos comparsas 
Da fábula burguesa da formiga. 
Nós, a tribo faminta de ciganos 
Que se abriga 
Ao luar. 
Nós, que nunca passamos 
A passar!...

Somos nós, e só nós podemos ter 
Asas sonoras, 
Asas que em certas horas 
Palpitam, 
Asas que morrem, mas que ressuscitam 
Da sepultura! 
E que da planura 
Da seara 
Erguem a um campo de maior altura 
A mão que só altura semeara.

Por isso a vós, 
Poetas, eu levanto 
A taça fraternal deste meu canto, 
E bebo em vossa honra o doce vinho 
Da amizade e da paz! 
Vinho que não é meu, 
mas sim do mosto que a beleza traz!

E vos digo e conjuro que canteis! 
Que sejais menestréis 
De uma gesta de amor universal! 
Duma epopeia que não tenha reis, 
Mas homens de tamanho natural! 
Homens de toda a terra sem fronteiras! 
De todos os feitios e maneiras, 
Da cor que o sol lhes deu à flor da pele! 
Crias de Adão e Eva verdadeiras! 
Homens da torre de Babel!

Homens do dia a dia 
Que levantem paredes de ilusão! 
Homens de pés no chão, 
Que se calcem de sonho e de poesia 
Pela graça infantil da vossa mão!"

Imagem: Google imagens

Nos vinis da vida e do surreal...




Créditos na imagem


Porém...

No momento atual, 
na era da supervalorização do virtual...


Imagem: Reprodução de parte  de capa do livro:  "Revolução no Futuro", de Kurt Vonnegut Jr


_________________________________
Fonte imagem: Google imagens

9/11/2017

Nos caminhos da vida...



"É a direção da vela, e não o sopro da tempestade, 
que determina o teu curso na vida."
__Randy Davis
Imagem: Google imagens

8/26/2017

Sonho impossível....



Sonhar 
Mais um sonho impossível
Lutar 
Quando é fácil ceder
Vencer 
O inimigo invencível
Negar 
Quando a regra é vender

Sofrer 
A tortura implacável
Romper 
A incabível prisão
Voar 
Num limite improvável
Tocar 
O inacessível chão

É minha lei, é minha questão
Virar este mundo, cravar este chão
Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz

E amanhã se este chão que eu beijei
For meu leito e perdão
Vou saber que valeu
Delirar e morrer de paixão

E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão


______________________ 
Versos da canção Sonho Impossível 
(The impossible dream, 1965Joe Darion - Mitch Leigh )
Versão em português: Chico Buarque - Ruy Guerra

Fonte: Google imagens

8/25/2017

"Olhai os lírios do campo..."


"...Precisamos, entretanto, dar um sentido
 humano às nossas construções.  
E quando o amor ao dinheiro, ao sucesso, 
nos estiver deixando cegos, 
saibamos fazer pausas 
para olhar os lírios do campo 
e as aves do céu."
__Érico Veríssimo


        "Estive pensando muito na fúria com que os homens se atiram à caça do dinheiro.  É essa a causa principal dos dramas, das injustiças, da incompreensão da nossa época.  Eles esquecem o que têm de mais humano e sacrificam o que a vida lhes oferece de melhor: as relações de criatura para criatura.  De que serve construir arranha-céus se não há mais almas humanas para morar neles?

          Quero que abras os olhos, Eugênio, que acordes enquanto é tempo.  Peço-te que pegues a minha Bíblia que está na estante de livros, perto do rádio, leias apenas o Sermão da Montanha.  Não te será difícil achar, pois a página está marcada com urna tira de papel.  Os homens deviam ler e meditar esse trecho, principalmente no ponto em que Jesus nos fala dos lírios do campo, que não trabalham nem fiam, e no entanto nem Salomão em toda a sua glória jamais se vestiu como um deles.

          Está claro que não devemos tomar as parábolas de Cristo ao pé da letra e ficar deitados à espera de que tudo nos caia do céu.  É indispensável trabalhar, pois um mundo de criaturas passivas seria também triste e sem beleza.  Precisamos, entretanto, dar um sentido humano às nossas construções.  E quando o amor ao dinheiro, ao sucesso, nos estiver deixando cegos, saibamos fazer pausas para olhar os lírios do campo e as aves do céu.(*)

          Não penses que estou fazendo o elogio do puro espírito contemplativo e da renúncia, ou que ache que o povo deva viver narcotizado pela esperança da felicidade na "outra vida".  Há na terra um grande trabalho a realizar.   É tarefa para seres fortes, para corações corajosos.  Não podemos cruzar os braços enquanto os aproveitadores sem escrúpulos engendram os monopólios ambiciosos, as guerras e as intrigas cruéis.  Temos de fazer-lhes frente.

           É indispensável que conquistemos este mundo, não com as armas do ódio e da violência e sim com as do amor e da persuasão.  Considera a vida de Jesus.  Ele foi antes de tudo um homem de ação e não um puro contemplativo.

          Quando falo em conquista, quero dizer a conquista duma situação decente para todas as criaturas humanas, a conquista da paz digna, através do espírito de cooperação.

          E quando falo em aceitar a vida não me refiro à aceitação resignada e passiva de todas as desigualdades, malvadezas, absurdos e misérias do mundo.  Refiro-me, sim, à aceitação da luta necessária, do sofrimento que essa luta nos trará, das horas amargas a que ela forçosamente nos há de levar."  

(*) grifo nosso
_________________________________________________________________
Fonte do texto:  Olhai os Lírios do Campo,  de  Érico Veríssimo. 
5ª edição. Editora Globo  RS, 1996


.Fonte: imagens: Google imagens

Ultimatum

"Ultimatum a todos eles
E a todos que sejam como eles
Todos!
Monte de tijolos com pretensões a casa
Inútil luxo, megalomania triunfante

E tu, Brasil, blague de Pedro Álvares Cabral
Que nem te queria descobrir
Ultimatum a vós que confundis o humano com o popular
Que confundis tudo..."

Brazil mostra a tua cara, Brasil, Acorda Brasil, Amazônia e Vidas em leilão, Brasil2017, Reflexão Poesia


video
Intérprete: Maria Bethânia - "Ultimatum" - Álvaro de Campos /19'17
Créditos: Artemanha


"Mandado de despejo aos mandarins do mundo
Fora tu,
reles
esnobe
plebeu

E fora tu, imperialista das sucatas

Charlatão da sinceridade
e tu, da juba socialista, e tu, qualquer outro
Ultimatum a todos eles

E a todos que sejam como eles

Todos!
Monte de tijolos com pretensões a casa
Inútil luxo, megalomania triunfante

E tu, Brasil, blague de Pedro Álvares Cabral

Que nem te queria descobrir
Ultimatum a vós que confundis o humano com o popular
Que confundis tudo

Vós, anarquistas deveras sinceros

Socialistas a invocar a sua qualidade de trabalhadores
Para quererem deixar de trabalhar
Sim, todos vós que representais o mundo
Homens altos
Passai por baixo do meu desprezo

Passai aristocratas de tanga de ouro

Passai Frouxos
Passai radicais do pouco
Quem acredita neles?
Mandem tudo isso para casa
Descascar batatas simbólicas
Fechem-me tudo isso a chave
E deitem a chave fora
Sufoco de ter só isso a minha volta

Deixem-me respirar

Abram todas as janelas
Abram mais janelas
Do que todas as janelas que há no mundo
Nenhuma ideia grande
Nenhuma corrente política

Que soe a uma ideia grão

E o mundo quer a inteligência nova
A sensibilidade nova
O mundo tem sede de que se crie
Porque aí está apodrecer a vida
Quando muito é estrume para o futuro

O que aí está não pode durar

Porque não é nada
Eu da raça dos navegadores
Afirmo que não pode durar
Eu da raça dos descobridores
Desprezo o que seja menos
Que descobrir um novo mundo

Proclamo isso bem alto

Braços erguidos
Fitando o Atlântico
E saudando abstractamente o infinito.”
___Álvaro de Campos, em 1917
--------------------------------------
"O Tempo não pára" - Arnaldo Brandão / Cazuza
Interpretação: Cazuza
Vídeo by Youtube - créditos ao final

Fonte:imagem: Google imagens
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...